Porto Velho, 25 de Julho de 2014

RONDÔNIA

ROMPIMENTO DE BARRAGEM EM RONDÕNIA

PODE ACONTECER DE NOVO, MAS DESTA VEZ POROROCA VIRA TSUNAMI

12/02/14 às 00:09 | FOLHA
Seu Nome:
Seu E-mail:
Nome do Destinatário:
E-mail do destinatário:
Mensagem:
Seu Nome:
Seu E-mail:
Mensagem:

ISSO ACONTECEU EM 2008;

O rompimento da barragem de uma usina hidrelétrica em construção, em Vilhena (698 km de Porto Velho), na tarde de ontem (9), causou danos ambientais e a retirada preventiva de ao menos 200 famílias de suas casas.

Com volume estimado em 3,1 bilhões de litros de água e cerca de 40 metros de altura, o reservatório da PCH (Pequena Central Hidrelétrica) de Apertadinho, do grupo privado Cebel (Centrais Elétricas Belém S/A), se rompeu por volta das 14h desta quinta-feira. O acidente colocou em risco moradores das cidades de Pimenta Bueno e Cacoal, cortadas pelo rio Comemoração (ou Melgaço), onde fica a usina.

Havia possibilidade de uma onda de cheia com velocidade de até 10 km/h atingir a região. O vazamento, contudo, se dispersou no caminho e foi contido pela barragem de outra usina, a Rondon 2, a 73 km do ponto do rompimento, por volta da meia-noite de ontem. As características do terreno --de planície e pouco acidentado-- também contribuíram para amortecer a força das águas.

"O segundo empreendimento segurou a tromba d' água. Os maiores danos foram nas matas ciliares [que margeiam cursos de água] no trajeto. Nenhuma cidade foi invadida e não temos notícia de desabrigados até o momento", disse, na tarde de hoje, o gerente ambiental do governo de Rondônia, Marcus Lemgruber.

Os moradores de Pimenta Bueno --primeira cidade na rota da cheia-- que haviam sido desalojados por precaução começaram hoje mesmo a voltar para casa. Havia previsão de que o nível do rio Comemoração subisse 50 centímetros na cidade, atingindo 4,8 metros --patamar ainda inferior à máxima histórica, de nove metros.

Segundo o Corpo de Bombeiros do Estado, a área atingida pelas águas é desabitada. Os danos apurados até o momento são ambientais e na estrutura da usina de Apertadinho.

Em nota, a Defesa Civil de Rondônia e o Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia) informaram que a situação estava "sob controle" e descartaram o "cenário mais pessimista que chegou a ser projetado".

Causas

As causas do rompimento ainda são desconhecidas --o governo de Rondônia suspeita de falha geológica no terreno ou problemas na construção das barragem.

A usina de Apertadinho é construída pelo consórcio Vilhena, formado pelas empresas Schahin Engenharia e Empresa Industrial Técnica. O consórcio afirmou ontem, em nota, que "está adotando as medidas cabíveis para apurar as causas do ocorrido".

Na Cebel, a reportagem foi atendida por um funcionário que se identificou como Sérgio. Ele disse que o grupo enviou técnicos a Rondônia para avaliar a situação e produzir um relatório para a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) sobre o ocorrido.

2009 - O COMBATENTE - Todos direitos reservados.